Social
01/07/2019
Celesc vê ganho de R$ 356 milhões com plano de demissão incentivada

Empresa desligou 365 empregados até dezembro de 2018, ao custo de R$ 107 milhões.
O Comitê de Recursos Humanos da concessionária de energia elétrica Celesc precisou pedir um adicional de R$ 52,6 milhões para complementar os desligamentos realizados em 2018, em função de uma adesão superior ao projetado pela empresa, apurou a Agência CanalEnergia. Em resposta a reportagem, a Celesc disse que desligou 365 empregados por meio do Plano de Demissão Incentivada (PDI) até dezembro de 2018, ao custo de R$ 107 milhões.No entanto, no mesmo período, foram admitidos 359 empregados. O turnover do quadro de pessoal tem auxiliado a melhoria dos resultados financeiros da companhia, uma vez que um novo empregado possui custo inferior a um terço do empregado que se desliga com mais de 30 anos de trabalho.“O ganho estimado destes desligamentos versus contratações realizadas remonta a um valor presente líquido de R$ 356 milhões, gerando um ganho anual estimado de R$ 79 milhões nos próximos cinco anos para a companhia. Ao longo de 2019, a empresa vem realizando desligamentos e contratações e esses ganhos serão apurados no encerramento do exercício”, disse em resposta à reportagem.A Celesc disse que vem buscando alinhar seus resultados “àquilo que o mercado espera”, com diversos esforços nos últimos anos buscando manter a sustentabilidade econômico-financeira da companhia. Nos últimos anos foi criado internamente o Programa de Eficiência Operacional, cuja principal ação para redução de custos de pessoal é a realização do Plano de Desligamento Incentivado (PDI).A aplicação de plano de desligamento incentivado é uma prática utilizada tanto por empresas públicas como privadas para reduzir o quadro de empregados e, consequentemente, os custos operacionais. A utilização destes planos traz benefícios para a companhia e para os empregados, com regras bem definidas e ao qual aderem apenas os interessados, garante a Celesc, que atende aos consumidores do Estado de Santa Catarina.Desde 2016, a Celesc tem utilizado o mesmo modelo de regulamento, indenizações pagas em até 60 parcelas e que equivalem a cerca de dois anos dos ganhos dos que aderem ao plano. “O programa de desligamento tem auxiliado a melhoria dos resultados financeiros da Celesc e contribuem no esforço de adequar o custo de pessoal aos patamares regulatórios, alinhados com as práticas de mercado”, disse a empresa.

WAGNER FREIRE, DA AGÊNCIA CANALENERGIA, DE SÃO PAULO (SP) 01/07/2019